terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Natureba I


Outro dia, comentei com a Gabi que eu poderia ser tranqüilamente vegetariano. Como boa gaúcha, ela fez cara de espanto. Será possível viver sem costela assada e arroz carreteiro? Sim, é possível e gostoso.

Apesar de carioca, sou de família mineira e desde pequeno aprendi a comer todo tipo de verdura e legume. Os comuns e também os mais esquisitos: cambuquira, flor de abobora, taioba, bertalha, maxixe, jiló... Sempre preparados da forma correta e com aquele carinho de mãe e avó, querendo botar à mesa não só sabor, mas também saúde, com baixo custo. E assim aprendemos, eu e minhas irmãs, que "verdinho" é muito bom.

Não vou ficar fazendo apologia ao vegetarianismo. Também não tenho pena dos porquinhos, pintinhos e vaquinhas que morrem para alimentar os carnívoros. O Green Peace que me perdoe... Adoro açúcar refinado, foiegras, rabada e a maioria das comidas "pecaminosas" que se pode imaginar (não confunda com junk food, que eu detesto, ok?). Acho que comida vegetariana não é uma forma de penitência, purificação ou "evolução espiritual". Você não precisa sofrer. Ela pode ser deliciosa. Como qualquer outro tipo de comida, basta fazer bem feito e com os ingredientes certos. Azeite de oliva extra-virgem, manteiga (sim, manteiga!) de primeira para refogar, temperos variados, ovo caipira...as possibilidades da cozinha "ovo-lacto-vegetariana" são muitas e gostosas.

Agora, o maior erro que qualquer cozinheiro pode cometer é querer imitar com vegetais os pratos tradicionais que levam carne. E isto parece que virou moda. Já vi salsicha de soja, hambúrguer de arroz e até feijoada vegetariana (gororoba)! Cozinha vegetariana, definitivamente, não tem vocação para a imitação. Você imagina a quantidade de aditivos e saborizantes necessários para se fazer uma "almôndega de proteína vegetal texturizada" que seja pelo menos palatável? Ainda assim, estes produtos estão no mercado. E muita gente compra e paga caro com a expectativa de achar no produto "natureba" o mesmo sabor e textura do produto tradicional. O resultado é um consumidor frustrado, que acaba torcendo o nariz para tudo o que é vegetariano.

Quando eu comecei a trabalhar - faz uns 18 anos - ganhava tão pouco, mas tão pouco que era obrigado a vender o ticket refeição para fazer um dinherinho extra. A única opção para um almoço completo, bom e barato era o restaurante vegetariano do prédio da ABI, no centro do Rio. Chamava-se Pitcairn, me lembro até hoje. Era self-service com várias opções de pratos quentes, e como não poderia deixar de ser, muitas saladas. Público cativo: executivos em começo de carreira, ripongas, gatinhas-geração-saúde e intelectuais. No fim das contas, comer lá de 2a. a 6a. foi muito divertido. Conheci gente interessante, passei a me sentir melhor, mais leve e sem aquela "lombeira" de depois do almoço, que os médicos chamam de letargia pós-prandial. Vem daquela época minha simpatia por comida vegetariana.

Então, resolvi tomar minha primeira Resolução de ano novo-2008: vou procurar jantar mais comida vegetariana. E ensinar as crianças a gostar mais de legumes, verduras e saladas.

2 comentários:

Ana Elisa disse...

Oi, Rogério!
Homem, você escreve bem!! Adorei! As fotos são suas?
É, eu não fico fazendo apologia ao vegetarianismo, mesmo porque sou vegetariana de araque e cada um sabe o que faz. Uma vez por mês estou lá comendo um peixinho em algum lugar. Mas só. Não me arrependo, pois acho que meu mundo ficou mais rico quando tirei o bife do prato. Você é obrigado a inventar mais, a ir atrás de novos sabores. Comida italiana é excelente para quem quer diminuir a carne, pois é "la cucina povvera", a cozinha criativa dos tempos de guerra. Cada prato de legumes... hum... E esse enriquecimento não tem preço. Só não gosto quando chamam de "comida vegetariana". Tem amigo meu que me chama prá jantar e quer me levar em restaurante vegetariano. E eu odeio, porque é sempre natureba e cheio de soja, e eu odeio soja. É apenas comida. Me leva num restaurante. Ponto. Prá comer comida. Sem o bife. Certo?
Parabéns pelo blog!!! Voltarei sempre!!!
Abraços e boa entrada de ano!!

Rogério disse...

Puxa, Ana, obrigado! Vindos de você, os elogios valem o dobro. Porque o "La Cucinetta" é um blog fantástico. Para quem estiver lendo este post: visite o www.lacucinetta.blogspot.com, uma das ótimas descobertas culinárias que fiz em 2007!